domingo, 16 de janeiro de 2011

BANCO DE ANGOLA - BANCO NACIONAL DE ANGOLA




NOTAS DO PRIMEIRO DIA, EM CIRCULAÇÃO.



BANCO DE ANGOLA (ATÉ 1975) BANCO NACIONAL DE ANGOLA ( foto na net)









Todo o indivíduo pagava Imposto Geral Mínimo ; fui
isento por chegar na véspera de Ano Novo - 1972-.


TRABALHEI NO BANCO DE ANGOLA E BANCO NACIONAL DE ANGOLA ATÉ
30 DE MAIO DE 1977.
PARTICIPEI NA CIRCULAÇÃO DAS NOVAS NOTAS ANGOLANAS -KWANZAS-
QUE FORAM TROCADAS POR ESCUDOS COLONIAIS PORTUGUESES.
TRABALHEI NESSA OPERAÇÃO NO POSTO QUE FUNCIONOU NO ANTIGO
SINDICATO "SNECIPA" AO LADO DO TEATRO, NA ENTÃO AVENIDA
RESTAURADORES DE ANGOLA.








E a 01JUN 1977 ingressei na PETRANGOL - Compª. de Petróleos de Angola no Edifício Farrobilha Guedes 7º. andar - Divisão de Contabilidade e Finanças.

Em 1979 estava nos Serviços Administrativos de SOYO, da Petrangol/FINAPETRO. Uma das funções era a interligação Luanda/Campos de Produção. As tarefas: Pagamentos de Salários aos Angolanos, Distribuição de Correio, Resolução de Todos os Problemas com Sede/Luanda; Pagamento de indemnização por expropriação de Terras (necessárias à Produção); Logística; Tráfego Aéreo: Passageiros Nacionais e Expatriados, e Carga, no avião matrícula D2-EPL DAKOTA/DC3 da Companhia, bem como nos Voos TAAG diários.
Outras Ocorrências Extras: Visitas de Responsaveis do Governo e representantes de embaixadas estrangeiras; Cooperação com Entidades Administrativas na Resolução de Problemas Locais.
Nesta época travei conhecimento , nas "bualas" com populações e realidades (para mim até então desconhecidas) em Tari-Tari, Pângala, Kinguila, Cabeça da Cobra, Kifuma, etc.) e quase diariamente no Campo 8, Campo 2 , Base de Kinfuquena, Kuanda, etc..

Em ;Luanda também trabalhei na EAA Elf Aquitaine Angola no Sector Contabil-Financeiro.


<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>








KOTAS, DAKOTAS & OUTRAS .....
MOTOR DE ARRANQUE

Por falar em DAKOTA...
Passa-se com Kotas, Dakotas e até com alguns que dizem que está tudo BEM.

Um dia, no Soyo, o piloto CMDT João Amaral perguntou-me se eu podia dar um "empurrão" ao DC3 pois não tinha ignição. Achei que era brincadeira, mas não. E assim foi: enrolou uma corda à hélice e, a pulso, quatro homens lá meteram o motor do DAKOTA a funcionar; e BEM!!

Sem comentários:

Enviar um comentário